Website only available to a limited extent
Please enable cookies to use the website in full extent.

Do leite ao queijo pronto: assim se faz o Queijo da Suíça

A produção do queijo é um trabalho artesanal que exige, além de amplo conhecimento, grande sensibilidade e precisão. Além disto,continua-se a fazer há muitos séculos os mesmos processos na mesma forma de sempre. Mostramos a produção de queijo em nove fases e aproveitamos para contar um pouco a história da Suíça.

O leite como base

O Queijo da Suíça é feito a partir de leite fresco que é entregue duas vezes por dia da quinta à queijaria. As propriedades do leite influem igualmente no carácter final do queijo.

Saiba mais sobre o tema «Leite como base»

Por mais diferentes que sejam os mais de 700 tipos de queijos suíços, todos eles têm uma coisa em comum: o material de partida para a produção é o leite suíço. A grande maioria dos queijos é produzida com leite de vaca. Os agricultores geralmente fornecem duas vezes ao dia leite fresco de preferência sem germes e de animais saudáveis. Da mesma matéria prima obtém-se uma ampla variedade de tipos. Muitos fatores influem no carácter individual de cada queijo, como por exemplo, o tipo de animal, alimentação, clima, teor de gordura no leite, diferentes culturas bacterianas, tipo de amadurecimento e cuidados.

Seleção e tratamento do leite

Após a entrega, primeiro controla-se a qualidade do leite e logo este é filtrado. O leite cru é testado de forma intensiva - se não for destinado à produção de queijo de leite cru, o leite é termizado ou pasteurizado com cuidado.    

Saiba mais sobre o tema «Seleção e tratamento do leite»

Primeiro, são testadas as suas propriedades bacteriológicas e sensoriais do leite. Os seguintes critérios são considerados, entre outros:

  • O número de células indica a saúde do úbere dos animais.
  • A contagem de germes fornece informação sobre a ordenha e higiene do leite.
  • Os inibidores revelam se as vacas leiteiras foram tratadas com antibióticos.
  • O ponto de congelamento indica uma possível diluição do leite.

As fábricas de lacticínios asseguram a produção de queijo de leite cru por outras amostras específicas do queijo. Se o leite não for destinado à produção de queijo de leite cru genuíno, é submetido a um tratamento térmico suave, de modo a formar o leite termizado (aquecimento a cerca de 63°C) ou pasteurizado (aquecimento a, pelo menos, 72°C).

Coagulação do leite

O leite é adicionado ao tacho e aquecido lentamente durante a mistura. Em seguida, acrescentam-se as bactérias lácticas e coalho e a coagulação desencadeia: o resultado da coagulação é uma massa gelatinosa.

Saiba mais sobre o tema «Coagulação»

O leite no "tacho de queijo" é aquecido suavemente a 30°-32°C. Em seguida, o queijeiro ou queijeira adiciona culturas especiais de bactérias do ácido láctico e o coalho. A adição de cultura aumenta o nível de acidez no leite e, portanto, o efeito do coalho. Agora o leite deve repousar e, depois de 35 a 40 minutos, é o momento: o coalho coagula o leite, a chamada «coagulação». No tacho está agora a gelatina, uma massa suave, parecida ao pudim, que repousa à espera do processamento adicional.

Para os famosos Queijos da Suíça AOP, utilizam-se bactérias que estavam naturalmente presentes no leite há cerca de 40 anos e que desde então foram criadas pela Agroscope Liebefeld-Posieux e podem ser extraídas pelas queijarias como culturas primárias.

Sabia? O coalho também existe sem ingredientes de origem animal!

O coalho pode ser obtido do estômago do vitelo (também miúdos ou estômago de cordeiro), de culturas bacterianas especiais (microbianas) ou - bastante raramente - de plantas (por exemplo Cynara, Solanum dobuim) e utilizado na forma líquida, em pó ou em pasta. O coalho geneticamente modificado não é utilizado na Suíça.

Algumas gramas de coalho são suficientes para produzir 1000 litros de coágulo de leite. A função do coalho não é apenas coagular o leite, mas também ajuda o queijo a amadurecer até ser degustado.

Dica: no Localizador de Queijos  também poderá encontrar queijos suíços atuais que não contenham um coalho de animais.

Processo de mistura

A lira de queijo entra em ação: a massa gelatinosa é cortada e surge a coalhada de queijo. Estes grãos determinam o tipo de queijo - quanto menores forem, mais duro será o produto final.

Saiba mais sobre o tema «Processo de mistura»

Uma vez que a massa gelatinosa tenha a firmeza necessária, é cortada com a lira de queijo. Uma lira pode ser equipada com fios ou facas para realizar o corte da massa gelatinosa. Os grãos resultantes são chamados coalhada de queijo - quanto mais tempo a lira é agitada, menor o diâmetro dos grãos, e mais duro será o queijo no final. Quanto mais fina for a coalhada de queijo, menos água permanece no mesmo. Este processo é crucial para o tipo de queijo - portanto, precisa-se de muita precisão por parte do queijeiro ou queijeira.

Pré-coalhada

Os grãos de queijo são misturados e aquecidos - quanto mais duro o queijo, maior a temperatura. Deste modo, a coalhada de queijo torna-se cada vez mais firme.

Saiba mais sobre o tema «Pré-coalhada»

A massa pré-coalhada é misturada e aquecida lentamente. Quanto maior for o teor de água no queijo, mais forte será o aquecimento (queijo duro e extra-duro cerca de 51 - 58°C, queijo mole cerca de 35°C). Agitar e aquecer faz com que o grão do queijo se contraia e, assim, liberta o soro. A coalhada de queijo solidifica.

O que acontece com o soro?

De facto, o soro é um subproduto da produção de queijo - esse líquido esverdeado que emerge da gelatina durante o processamento da coalhada. O soro é bombeado e em geral centrifugado uma vez mais para depois ser processado. Os produtos de soro mais conhecidos são, por exemplo, bebidas de soro de leite, manteiga de queijo ou Ziger. Na forma de soro em pó, também é utilizado na indústria de alimentos ou cosméticos. No entanto, uma grande parte do soro resultante é utilizado como ração animal.

A propósito: em alemão, existem três palavras para soro: "Molke", "Schotte" e "Sirte, e significam exatamente a mesma coisa - "Molke" é o termo mais comum nos países de língua alemã.

Formar e prensar

A massa de queijo com a firmeza desejada é colocada numa forma - através dos orifícios no fundo da forma, o soro pode drenar. Adicionalmente, tudo é prensado para extrair mais líquido ainda.

Saiba mais sobre o tema «Formar e prensar»

Uma vez que a massa de queijo tenha a resistência correta, é colocada com o soro em formas perfuradas. O soro escorre e o queijo permanece na forma. Em seguida, colocam-se imediatamente as marcas de identificação no queijo, como "identidade do queijo", bem como as tampas para prensar os queijos. Neste processo, o queijo obtém a forma desejada e perde o soro.

Salmoura

Na próxima fase, realiza-se a imersão em salmoura: o queijo flutuante absorve o sal e liberta o soro. A casca é formada lentamente e o seu sabor torna-se mais intenso.

Saiba mais sobre o tema «Imersão em salmoura»

Segundo o tamanho, os queijos são colocados por algumas horas e até dois dias numa salmoura com um teor de sal de cerca de 22% e uma temperatura de cerca de 15°C. Devido ao elevado teor de sal, por um lado, o soro é liberto do queijo e, por outro lado, o queijo absorve o sal. Através deste processo, a massa de queijo solidifica e na superfície forma-se a casca. Isto proporciona ao queijo a proteção necessária contra influências externas, bem como a estabilidade dimensional. A salmoura também impede o desenvolvimento de bactérias indesejáveis ​​na superfície. A absorção do sal melhora o sabor do queijo. 

Interessante: devido à densidade da salmoura de 1,15 kg / l, os queijos pesados ​​flutuam neste banho de sal. 

Maturação e refinamento

Na cave de maturação, o queijo passa por algumas alterações: a casca é formada, o interior muda de cor, surgem os buracos e o queijo torna-se firme. Muitas vezes, um refinador enobrece o queijo esfregando-o com ervas, cidra ou vinho branco.

Saiba mais sobre o tema «Maturação e refinamento»

Agora à cave de maturação: a maturação do queijo é a totalidade dos processos enzimáticos que ocorrem no queijo. Neste processo de cura, a proteína fresca e sem sabor transforma-se num queijo flexível e saboroso que apresenta muitas características.

A maturação produz modificações microbiológicas e óptico-químicas no queijo:

  • Tornam-se visíveis a formação de uma casca exterior, os buracos no interior ((caixa de informação)), uma massa cremosa e as correspondentes alterações de cor.
  • Os processos bioquímicos decompõem a proteína até ao nível de aminoácidos, causando a modificação da textura da massa para forma mais fácil de digerir.
  • A formação de buracos, bem como diferentes tipos de produção, podem ser influída por efeitos microbiológicos.

O tempo de cura varia de alguns dias a vários meses ou anos. Durante esse período, a massa de queijo torna- se uma massa firme. O período de maturação depende do tipo e do tamanho do queijo e é definido nas especificações e regulamentos do mercado.

A maturação do queijo também é conhecida como refinamento. Um refinador dá o toque final ao queijo durante o amadurecimento e só dispõe o queijo para a comercialização quando estiver no auge da maturidade. Para o determinar, é preciso ter conhecimentos especiais. Com tratamentos adicionais por mosto, vinho branco, salmoura especial de ervas, etc., nesta fase influi-se também no aroma de um queijo.

Como surgem os buracos no queijo?

Um tema discutido com frequência e campo de muitas especulações: O que são os buracos no queijo?

Os microrganismos formadores de gás formam dióxido de carbono CO2. No caso de massas mais firmes e duras, o CO2 não sai da massa de forma uniforme e lenta, de modo que em algumas zonas com uma forte formação de gás surgem formações grandes e irregulares de buracos ou fissuras.

Numa massa cremosa, o CO2 é distribuído de maneira uniforme, de modo que em locais onde os grãos não se desenvolveram firmemente juntos, pode «crescer» de forma gradual um grande buraco regular. Devido à sua boa solubilidade em água, o CO2 leva a uma boa formação de buracos.

Et voilà! O segredo dos buracos nos queijos já está revelado.

Controlo de qualidade

Na última fase, o queijo é submetido a diferentes testes. Neste caso, avaliam-se a formação de buracos, a qualidade da massa, o sabor e o aspeto externo. Uma vez concluídos os testes, o queijo está pronto para a sua comercialização.

Saiba mais sobre o tema «Controlo de qualidade»

Antes de o queijo ser comercializado, é controlado cuidadosamente. Deste modo, garante-se que o queijo comercializado seja apenas de excelente qualidade. São controladas e avaliadas a formação de buracos, a qualidade da massa, o sabor e o exterior (forma e preservação)

0

Cookies no website: O nosso website utiliza cookies para que nós e os nossos parceiros possamos reconhecê-lo e para saber como utiliza o nosso website. Ao utilizar o nosso website, declara estar de acordo com o nosso uso de cookies. Mais informação.